A ex-Orquestra Sinfônica Brasileira

Este blog não costuma tratar de música erudita. E não vai tratar agora, para falar a verdade. O assunto em questão transcende qualquer classificação estética, por se tratar apenas de ética – esta palavra tão em falta hoje em dia.

A Orquestra Sinfônica Brasileira, uma instituição particular fundada por músicos e que se tornou quase sinônimo de música clássica para grande parte da população, passa por uma crise sem precedentes. A direção, numa série de atitudes absurdamente autoritárias, inaugurou uma série de exigências que culminaram na demissão de mais da metade da orquestra. Para os desavisados, à primeira vista, pode parecer que a exigência de avaliação dos integrantes seja algo justo e necessário. Antes fosse. Mas não me estendo mais, e passo a palavra a alguém que certamente terá uma opinião mais abalizada que a minha: John Neschling, ex-regente da OSESP, que sob sua direção se tornou a melhor orquestra brasileira. O artigo está no blog do maestro, chamado Semibreves, e nele é refutada inclusive a despropositada comparação entre os processos de avaliação das duas orquestras, que andou sendo usada como justificativa para a vergonha que ocorre nesta orquestra que não merece mais o nome que tem.

____________________________________________________________________________

Parece que o impasse em que se encontravam os músicos e a direção artística e administrativa da Orquestra Sinfônica Brasileira chegou ao seu ápice: mais de quarenta músicos do grupo estão sendo demitidos, alegada a justa causa pela administração, por não terem se apresentado às audições de avaliação programadas por seu diretor artístico. Não há dúvida de que a forma com que a direção da orquestra lidou com todo o processo foi truculenta, arbitrária e socialmente injusta. Não há como camuflar a má fé embutida em audições anunciadas durante as férias dos músicos. Não há como esconder a intenção de demitir, quando se adverte que o não comparecimento às provas será encarado como indisciplina grave, e as audições e os métodos de  avaliação não foram objeto de discussão com os músicos e sua comissão. Não há como justificar humanamente a demissão sumária de músicos que fazem parte da orquestra há 20 ou 30 anos e que evidentemente não estão no auge de suas formas. Enfim, o processo revestiu-se de injustiça, prepotência e falta de habilidade desde o seu início até o seu desfecho lamentável. Já escrevi, em vários posts desse blog, a minha opinião sobre a forma com que se encaminhou todo esse imbroglio. Também já refutei energicamente, embora se insista em fazê-lo, a exemplo do que afirmou Roberto Minczuk no jornal “O Globo”,  a comparação entre o processo de reavaliação pelo qual passou a OSESP, quando de minha chegada para reestruturá-la e as audições organizadas pela OSB.  Não posso aceitar que se use o processo pelo qual passou a OSESP em 1997 como desculpa ou justificativa para o trauma e o desarme que se se está fazendo agora na OSB.

Porque é disso que estamos falando: de um desarme, da destruição consciente e voluntária de uma orquestra que existe há 70 anos, que sobreviveu a tempos de vacas magras e que brilhou em tempos de glória, mas que jamais foi apunhalada da forma como a estão apunhalando. A OSB como a conhecemos todos os cariocas e brasileiros há décadas, acabou, foi desmantelada, não existe mais. Nunca imaginei que o “bon mot” que cunhei em outro post ao dizer que em vez de trocar de regente a administração resolveu trocar de orquestra pudesse corresponder exatamente à realidade. Seria cômico se não fosse trágico, pois quem perpetra tal desgoverno é justamente o filho de um dos músicos que criou a aura dessa orquestra. A imprensa, no afã de tentar entender ou explicar o ineditismo da situação, procura paralelos seja em orquestras brasileiras (todas elas vítimas de nossa extrema precariedade ou grupos criados a partir do zero nos últimos anos), seja em grandes orquestras mundiais. Essas, devido às suas estruturas centenárias e às suas qualidades intrínsecas indiscutíveis não servem para comparação com qualquer orquestra brasileira, da OSESP  à Lira São Joanense. No Brasil, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais está engatinhando, a OSESP acabou de entrar na sua adolescência. As Filarmônicas de Berlim, Nova Iorque e Israel certamente não necessitam de qualquer exame de reavaliação, que, estrutrado de forma diferente e organizado de forma mais respeitosa, poderia, sim, ajudar a OSB a dar um salto de qualidade ao qual, em sã consciência, nenhum músico se oporia.

A Orquestra Sinfônica Brasileira é uma instituição privada, cujos empregados são regidos pelo regime da CLT. Esse regime prevê a possibilidade de demissão, seja por justa causa, seja indenizando-se os demitidos com o pagamento de todos os direitos previstos na lei. O programa de demissão voluntária, embora me pareça perverso no âmbito humano da OSB, é uma alternativa prevista em lei e se não foi levado em consideração pelos músicos da orquestra, é porque toda a situação lhes parecia injusta e mal encaminhada. Aos músicos demitidos cabe a partir de agora a briga na justiça,  que decidirá se as demissões são justas ou não e a administração da orquestra terá que respeitar a sentença que o juiz proferir. As consequências poderão ou não pesar muito no orçamento da orquestra.

O que não está no âmbito das decisões judiciais é o prejuízo dificilmente mensurável que tal crise trará para o futuro da orquestra. Um dos principais patrocinadores da OSB é o BNDES. A letra S no nome do banco significa a preocupação social  da empresa. Terá o banco interesse em continuar a patrocinar uma orquestra que vilipendia de tal forma seus empregados? Que demite de forma tão violenta metade de seu corpo artístico? Qual a empresa, privada ou estatal, que deseja unir seu nome a uma instituição que passa uma imagem de truculência, violência e maus tratos? Será que esse comportamento discutível, para sermos modestos, foi debatido com antecedência com a Prefeitura, um dos grandes mantenedores da orquestra? Essas questões cruciais para a sobrevivência da instituição terão de ter passado pela cabeça de seus administradores, todos versados em economia e nas regras do mercado, sob o risco de serem julgados como irresponsáveis e incompetentes. Uma orquestra não é um banco de investimentos, não é uma fábrica nem uma empresa comercial. Certamente não será necessário que se explique aqui outra vez as peculiaridades e as sensibilidades especiais de uma orquestra sinfônica. O risco que se incorreu ao deixar que essa situação de extrema tensão transbordasse e viesse a público com a violência com que veio, com sua exposição internacional gravíssima e inédita, coloca todos os responsáveis pela instituição, aí incluido o seu diretor musical, na berlinda e os obriga a explicações  claras e transparentes. A culpa que lhes pesará nos ombros, caso sobrevenha a destruição de um dos ícones de nossa cultura não é coisa fácil de expiar.

Cabe, no entanto, uma reflexão sobre o futuro da orquestra, caso se consiga, mal ou bem, ultrapassar o trauma gravíssimo que se inflingiu ao seu corpo musical. Do ponto de vista meramente artístico é de se duvidar da possibilidade do maestro continuar a liderar, por ora, um grupo composto de músicos em sua maioria amedrontados, humilhados, indignados e na defensiva. Que muito provavelmente, com ou sem razão, se sentirão culpados pela situação precária na qual se encontrarão seus colegas demitidos e que serão condenados, por parte destes, a um isolamento destrutivo para sua auto estima. Um maestro que se verá na contingência de apresentar resultados qualitativos a curto prazo a um público desconfiado. Um maestro que terá de lutar pela sua reabilitação no conceito de toda uma classe profissional,  que se opôs frontalmente à sua atitude, não só no Brasil como no exterior. Inúmeros músicos, sindicatos e orquestras do exterior se manifestaram, de forma clara e incisiva, contra o processo instaurado na orquestra carioca. Sua carreira está em risco. Seu nome está em jogo. Não será fácil trabalhar nessas circunstâncias. Terá à sua frente uma orquestra em pedaços e incompleta. Será necessário completar, e com urgência, os quadros do conjunto. Quais os músicos brasileiros de qualidade que se apresentarão aos concursos de admissão após os acontecimentos do passado recente? Qual a garantia que receberão de respeito e segurança no trabalho? Onde encontrar os músicos estrangeiros com a qualidade necessária para preencher as dezenas de vagas abertas pelas demissões? Não se admite que se tragam ao Brasil músicos de qualidade mediana após o escândalo do afastamento de tantos músicos competentes. Estes são  alguns dos problemas que terão de ser enfrentados, e com urgência, pelo diretor artístico da OSB.

Há, no entanto, e não menos grave, o problema econômico a ser enfrentado pela Fundação OSB. Foi dito reiteradas vezes tanto pelo presidente do Conselho quanto pelo diretor artístico que os salários a serem oferecidos àqueles que passarem pelas audições, e naturalmente aos novos músicos da orquestra, serão comparáveis ou mesmo superiores àqueles que são pagos atualmente pela OSESP.  Não estou mais informado extamente dos salários da orquestra paulista mas imagino que estes, devidamente reajustados, devem estar beirando os 10.000 reais para um músico de fila. Um contrato de 10.000 reais pela CLT custa ao empregador por volta de 17.000 reais por mês. Mas não esqueçamos que os “spallas” (e são dois) da orquestra ganham por volta de 18.000 (o que para o empregador não sai por menos de 30.000 mensais) e que os solistas dos diversos naipes recebem por volta de 12 a 13.000 reais mensais (não menos de 20.000 reais mensais para o empregador). Qual a garantia que a OSB tem de que terá à disposição um orçamento anual que cubra esses enormes custos de pessoal? Nunca houve transparência nas informações do “status” financeiro da Fundação. Nunca foi publicado um relatório de atividades econômicas da OSB. Nunca se soube ao certo quanto dinheiro foi arrecadado pelo seu departamento de marketing, nem como esse dinheiro foi utilizado ou em que foi aplicado. Todas as informações que circularam e circulam até hoje sobre o orçamento, a verba arrecadada e a administração financeira da Fundação são obscuras e aproximadas. Quem garante que a OSB terá os meios suficientes para a sobrevivência a longo ou ao menos a médio prazo das suas atividades?  De onde virão esses recursos? Como se arriscar a trazer 40 músicos novos nessa realidade nebulosa? É urgentemente necessário que o Conselho da Fundação venha a público com essas informações de forma clara e transparente para que o processo traumático a que obrigam a orquestra a passar tenha um mínimo de credibilidade. Como será a estrutura administrativa da orquestra num futuro como o que está sendo anunciado? Continuaremos a ter uma OSB com sua estrutura administrativa antiquada e desconhecida do público? Será que essa grande renovação que se proclama ficará restrita aos músicos? Isso faria com que as  injustiças cometidas contra os profissionais da orquestra fossem ainda mais graves.

Enfim, perguntas e mais perguntas, dúvidas em cima de dúvidas. Há, finalmente, uma outra perspectiva de análise para essa questão: e se tudo for  pelo melhor? Nossa realidade econômica, como já comentei diversas vezes, é favorável a investimentos a longo prazo. Não houve, há décadas, momento mais propício do que esse para a criação de outra OSESP, dessa vez no Rio de Janeiro. E se a OSB se transformasse, num passe de mágica administrativa e artística, numa segunda grande orquestra internacional no Brasil?  Isso  viria confirmar o momento de euforia que vivemos no País e nos colocaria de vez no mapa dos países sinfônicamente importantes. No quadro atual, é difícil ter esperança. Se essa hipótese se confirmar, viveremos o luto do processo traumático, continuaremos a pugnar pelo respeito e pela dignidade de nossos músicos, mas algum resultado positivo terá advindo desse tsunami que assolou nossa orquestra.

Caso contrário, o crime terá sido capital, e não terá perdão.

______________________________________________________________

Atualização do dia 4 de abril: o pianista Nelson Freire acaba de anunciar o cancelamento de todas os seus concertos marcados com a OSB em 2011. Um atitude que demonstra mais uma vez a elegância e a firmeza de princípios de um dos maiores pianistas do mundo. Quem sabe assim a direção da orquestra começa a perceber a extensão do erro que está cometendo.

Anúncios
Esta entrada foi postada em Música.

5 comentários em “A ex-Orquestra Sinfônica Brasileira

  1. Eliseo disse:

    Buen Túlio-

    Perdona que deje este comentario aquí, pero como no encuentro vuestro email no tengo más remedio. Hay un tema de Martinho da Vila sobre el que me gustaría leer un comentario tuyo. “Calango Longo” es un temazo. Creo que Martinho la grabó por primera vez en el 69, pero la versión que me gusta la recoge en el maravilloso “3.0 Turbinado”. En fin, es una sugerencia.

    Saludos.

    E.

    • Eliseo, sou fã do Martinho até pelo trabalho de pesquisa que ele faz, no Brasil, na África, nas origens do samba. Gosto muito de tratar de regravações e releituras, porque permitem pela comparação que se veja múltiplas facetas da canção. Mas não conheço a segunda versão desta, prometo procurar. Obrigado pela participação, abraços.

  2. Eliseo disse:

    Túlio, deixo meu email: editor@bluemonkblog.net Abraço sempre.

    E.

  3. Wagner Pinheiro disse:

    Isso tem cheiro de estrangeirismo, e isso não tem nada haver com xenofobia, talvez com a semana de arte moderna com Oswald de Andrade em o “Rei da Vela” que apenas revela a ideologia cultural característica do tipo brasileiro de de livrar de nossas qualidades em detrimento do que vem de fora. Os músicos sabem muito bem disso, fazem sucesso lá fora e são esquecidos ou enaltecidos dependendo do que a mídia deseja. A mídia poderia debater mais essas arbitrariedades. Colocar em foco esses desmantelamento para uma discussão mais aberta, plural e, somente então, uma possível sabedoria.

    Abrçs

    Wagner

    • Olha, Wagner, acho que por um lado há mesmo o sintoma desta ideologia cultural torta de que você fala, mas infelizmente de forma muito mais rasteira até do que a sua análise… O que há mesmo é uma luta por poder. Talvez – me ocorre agora – a ideologia por trás deste absurdo seja menos cultural, e mais pura e simplesmente neoliberal.

      Agora, querer que a Imprensa hoje trate qualquer questão de maneira minimamente aprofundada me parece utópico, até porque ela está condicionada a sempre procurar primeiro a fonte “oficial” – que neste caso é a direção da orquestra, não os músicos, assim como em qualquer empresa será sempre o patrão, nunca os empregados. Até que, graças a uma mobilização intensa, inclusive nas redes sociais, desta vez se está conseguindo chegar de algum modo a noticiar o outro lado da moeda, ou seja, a operação de desmantelamento político – seu termo é apropriadíssimo – que está acontecendo. Abração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s