Pra pensar em Itamar

Sérgio Molina é compositor erudito. E popular. E de vanguarda. Eu estava com dificuldade para definir o seu trabalho até descobrir que ele excursionou pela Europa na década de 1990 como co-arranjador, violonista e guitarrista com Tom Zé, além de parceiro dele em várias canções. Aí ficou mais claro: assim como Tom Zé, formado em composição clássica e com uma obra que utiliza livremente elementos de todo lugar, Sérgio transita livremente do popular ao chamado erudito: é músico, e pronto.

É axatamente assim que consigo classificar Sem pensar nem pensar: música, e pronto. Ou mais exatamente, música popular que não se furta a beber na fonte que achar melhor. E, neste caso, música composta a partir de letras de Itamar Assumpção, feitas entre 2002 e 2003, especialmente para que Sérgio as musicasse, e Miriam Maria, uma das Orquideas do Brasil, grupo que acompanhou o Itamar na década de 90, cantasse.

Então, o desafio de Sérgio é potencializar ao máximo a expressividade das letras de Itamar, que, por si só, sempre foram já muito expressivas. Aqui, a maioria delas é sintética, quase que aforismos, frases de efeito, como Itamar gostava e sabia fazer mesmo em letras mais longas. Corria-se o risco de virarem vinhetas, como o próprio Itamar chega a anunciar em Caiu a ficha:

Era tão extensa essa letra
que de repente caiu a ficha:
pelo tema isso não passa de vinheta

Outro risco grande num trabalho desses é o extremo oposto: o de parecer que se atira para todo lado, e o resultado final ser tão variado que não apresente uma unidade musical. As canções de Itamar tinham uma assinatura bem definida de sintaxe, ritmo, um certo humor e um certo balanço que eram unificados na sua voz inconfundível. Sérgio teria certamente que escolher outros caminhos, ou seria apenas um pastiche do Itamar. Mas se escolhesse caminhos demais, poderia também não chegar a lugar nenhum.

Sem pensar nem pensar, então, se equilibra numa linha fina. Sérgio realmente explora as letras até tirar delas todo o sumo possível de expressividade. A ponto de, na escuta, elas parecerem muito maiores do que na realidade são. E também lança mão de diversas técnicas de composição e arranjo, mostrando ser um músico de muitos recursos, mas sem jamais jogar para a plaéia. O Sérgio atira mesmo para todo lado – mas acerta. Se experimentalismo é procurar sempre a saída mais interessante artisticamente dentro de um repertório técnico muito vasto, então este trabalho é muito experimental. Só que, ao contrário de trabalhos experimentais que dão a impressão de dispersão e falta de identidade, este soa coeso. E isto porque nada é gratuito, e sim a serviço das – ou melhor seria dizer uma parceria em pé de igualdade – com as letras.

Ainda assim, a primeira escuta pode confundir, porque o amálgama de ritmos, estilos, métodos de composição é grande. Como se lê no próprio release do trabalho:

As surpresas poéticas que regem a métrica irregularmente ritmada da poesia de Itamar sugerem diferentes processos de atrelação poesia-letra. Alguns são os processos espontâneos comuns à nossa canção, mas há também muita utilização de técnicas conjugadas: ecos de vanguarda paulista (Tatit, Arrigo, etc.), soluções depuradas pela MPB artística e pela música pop tradicional (Caymmi, Beatles, etc.), e arquiteturas sonoras da música escrita, mas sempre tendo como pano de fundo a “vestimenta” da canção popular brasileira. Exemplo: fusões de Ijexá e Maracatu com a divisão rítmica “sambista” de Itamar sobre modos propostos pelo francês Olivier Messiaen nos anos 40. Tudo com muita improvisação e swing característicos da música popular.

Ou seja, Sem pensar nem pensar não é um trabalho para se ouvir distraidamente. Isto porque a quantidade de informações é grande, combinadas e sobrepostas entre si, o que significa que uma primeira escuta pode parecer confusa, pela diversidade de elementos. Mas há um caminho para guiar o ouvinte nesta variedade: Sérgio em nenhum momento descuidou da melodia. Foi mantida uma característica de Itamar, que é de mesclar volta e meia a recitação dos versos com sua entoação cantada – é verdade que Itamar fazia isso mais organicamente, às vezes sendo difícil mesmo saber se cantava ou falava. Mas, se o Sérgio abre o foco para musicar Itamar, também aposta que uma melodia desenhada, mesmo sobre arranjos em contraponto, ou com divisões rítmicas irregulares ou com efeitos inesperados, também pode servir para realçar esta letra, desde que numa compreensão real, de modo a caminharem pari passu

E o resultado, surpreendentemente, é quase sempre assobiável! Se o chão sobre o qual se edifica o álbum é a poética de Itamar, é sobre este fio da melodia que ele se equilibra, na voz muito precisa da Míriam Maria. O timbre de Míriam me lembrou bastante o de Ná Ozzetti, outra cantora paulista e colaboradora de Itamar que sabe muito bem mesclar canto e fala em sua interpretação. Por outro lado, é boa para o trabalho a diferença extrema entre o agudo de Míriam e o grave aveludado de Itamar, porque tanto impede comparações reducionistas quanto abre novas possibilidades interpretativas, sublinhando o fato de que as melodias de Sérgio são realmente uma visão sobre Itamar que não é a visão de Itamar. A Míriam demonstra um entendimento da relação melodia/letra que, com a variedade de soluções encontradas pelo Sérgio, não é fácil para um intérprete.

Ao longo das 16 faixas do álbum, alguns temas retornam, tática antiga para aumentar a unidade do todo, reapresentando temas já ouvidos sob roupagens diferentes. Esta providência tem uma dupla vantagem: permite explorar novas possibilidades sobre as mesmas letras, ao mesmo tempo que aumenta a coesão interna. Isto dá ao álbum ares de conceitual, o que talvez seja um exagero, já que as letras de Itamar falam de vários assuntos. Mas certamente não se trata apenas de um punhado de canções. No fim, fica mesmo a sensação de que é um trabalho experimental: em que se experimenta o quão longe se pode ir a partir de uma poética alheia, expondo-a a novas luzes – o quanto um bom iluminador pode ser um artista da mesma estatura do autor da obra iluminada. Sérgio e Míriam conseguem a proeza de, criando a partir da obra de Itamar, permitir que Itamar seja ouvido alto e claro por sob as várias e interessantíssimas camadas musicais que lhe aplicaram. Dá saudade dele, mas também mata um pouco desta saudade. Arrisco-me a achar que Itamar, de onde está, deve ter gostado.

Nem James Brown

Entendeu, Nereu?

Infinitos sons

Serviço: Sem pensar nem pensar, sítio oficial e My Space

Anúncios

2 comentários em “Pra pensar em Itamar

  1. Eliana Pichinine disse:

    Parabenizo o conteúdo explicativo do texto e as considerações sobre Itamar Assumpção.
    Como a proposta “é pra pensar em Itamar” resolvi deixar aqui um registro de alguém que passou a conhecer este artista através das letras de músicas de Alice Ruiz. .

    http://youtu.be/9JeRBCgLEt8 (Zelia Duncan cantando)

    Itamar Assumpção
    Composição: Itamar Assumpção E Alice Ruiz
    Milágrimas
    (Alice Ruiz e Itamar Assumpção)
    em caso de dor ponha gelo
    mude o corte de cabelo
    mude como modelo
    vá ao cinema dê um sorriso
    ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo

    se amargo foi já ter sido
    troque já esse vestido
    troque o padrão do tecido
    saia do sério deixe os critérios
    siga todos os sentidos
    faça fazer sentido
    a cada mil lágrimas sai um milagre

    caso de tristeza vire a mesa
    coma só a sobremesa coma somente a cereja
    jogue para cima faça cena
    cante as rimas de um poema
    sofra penas viva apenas
    sendo só fissura ou loucura
    quem sabe casando cura ninguém sabe o que procura
    faça uma novena reze um terço
    caia fora do contexto invente seu endereço
    a cada mil lágrimas sai um milagre

    mas se apesar de banal
    chorar for inevitável sinta o gosto do sal do sal do sal
    sinta o gosto do sal
    gota a gota, uma a uma
    duas três dez cem mil lágrimas
    sinta o milagre
    a cada mil lágrimas sai um milagre
    cante as rimas de um poema
    sofra penas viva apenas
    sendo só fissura ou loucura
    quem sabe casando cura ninguém sabe o que procura
    faça uma novena reze um terço
    caia fora do contexto invente seu endereço
    a cada mil lágrimas sai um milagre

    Abraços,
    Eliana Pichinine

    • Essa música é sensacional. Tenho a impressão de que foi feita junto mesmo, os dois fazendo letra e música. O Itamar gravou num álbum em que a Míriam Maria, que faz o Sem pensar nem pensar com o Sérgio Molina, era do grupo do Itamar. A cara dele, uma melodia simples e próxima da fala, mas bem trabalhada, que deixa a letra aparecer com todas as aliterações e efeitos de sentido que tem direito.

      Sobre a Zélia, até falei aqui outro dia, ao destacar o blog dela: não sou fã dela como compositora, mas a escolha de repertório de outros autores que ela faz é perfeita, e ela tem um sentido de interpretação exato, sem firulas nem exageros, que vai direto ao ponto. Só o fato de ela ter colocado holofotes sobre a obra do Itamar (e ele ainda estava vivo quando ela gravou as primeiras) já justificaria a carreira dela. Beijão, Eliana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s