Certas Canções – Uma ode

Já é o segundo artigo do José Miguel Wisnik que trago na íntegra para o blog, e não é à toa, já que ele é uma das pessoas que mais se dedica a pensar a produção musical brasileira contemporânea, no âmbito que me interessa aqui – o da canção. Este me chamou a atenção porque há pouco tempo corria um joguinho no Facebook em que se escolhia 30 canções durante um mês, com critérios diversos – uma que lembrava alguém, uma da infância, uma que ninguém esperaria que eu gostasse, etc., que um amigo chamou muito apropriadamente de reality show pessoal (já que eu as expunha para todos), e que me fez pensar muito exatamente no tema que o Wisnik aborda aqui. E já fico na expectativa ansiosa pelo filme de Eduardo Coutinho.

_____________________________________________________________________________________________

O documentário de Eduardo Coutinho As canções passou no Festival do Rio e vai passar na Mostra aqui em São Paulo na próxima semana. Quaro muito falar dele, especificamente dele, mas só quando entrar em cartaz, o que não vai acontecer antes de dezembro. É que eu não gostaria que o público não pudesse conferir, quando eu vier a comentá-las, as situações únicas que o filme expõe, no modo peculiar criado pelo autor de Jogo de cena (filme irmão de As canções). Mas não consigo deixar de adiantar o assunto, entrando desde já no tema que ele explora e que nos faz querer explorar também: o poder do lugar emocional profundo, vertical, em certa medida insuspeitado e quase atemporal, que certas canções têm na vida de cada pessoa.

Não faz muito tempo vivi uma experiência paralela à do filme. Um grupo de parentes e amigos que sabe muito bem que somos ligados por uma rede de canções resolveu ouvir, todos juntos, uma seleção formada pelas dez músicas que cada um considera as mais comoventes de sua vida. Éramos oito, e ouvimos oitenta canções sem parar, sem respirar nada que não fosse elas, durante uma noite inteira. Embora únicas e presentes ali graças à escolha de cada um, as canções provavam, antes de mais nada, que sua vocação é a de ser compartilhadas, fazendo parte da velha história de um desejo que todas as canções tem pra contar. Pois as canções só são canções quando não são mais nossas, ao mesmo tempo em que queremos que os outros escutem as nossas canções.

O critério não era o da escolha das canções mais belas, olhadas de um ponto de vista contemplativo e cheio de exigências melódicas, harmônicas e poéticas. Mais refinadas ou não, o que importava é que elas fossem ao nervo da emoção pessoal, ao centro do que na falta de outro nome chamamos de coração, não importa se simplórias, patéticas, supostamente bizarras ou se simplesmente simples. Canções que nos tocaram quando ainda não tínhamos formado um gosto nem padrões estéticos, muitas vezes aprisionadores, ou então que, qualquer que fosse a sua densidade, continuassem a nos tocar nesse lugar que independe dos crivos avaliativos que viemos a selecionar e construir.

Os mais sensíveis à fidelidade primeira que a situação exigia sofreram com a iminência do jogo, passaram insones as noites que antecederam à grande noite, torturados pelas injustiças que poderiam cometer ao escolher essas ou aquelas canções em detrimento de outras. Canções não podem ser traídas, sob pena de não se sabe que graves perdas íntimas. Houve quem desistisse de participar, incapaz de cometer tal violência, de arriscar-se ao erro inevitável e insuportável.

Uma valsa na voz de Francisco Petrônio, uma cantilena anônima, uma velha guarânia, os rocks e as baladas, a música barata e as obras-primas do cancioneiro brasileiro e mundial, que elo misterioso faria com que elas se tornassem canções necessárias? É claro que isso depende do momento em que ficaram gravadas nanossa memória afetiva, e as associações que vêm junto com elas na forma de recordação involuntária. Mas isto não basta. Simples ou complexas, as canções eleitas têm que corresponder com certas qualidades melódicas, certa integridade interna, corto círculo que se abre e se fecha dentro delas, certo dom misterioso que ninguém sabe explicar.

Posso dizer que já li todo tipo de escrito em matéria de música. Há longos tratados de harmonia e tratados de ritmo. Luiz tatit no s esclarece muito sobre as relações entre música e letra. Mas nunca vinenhuma tentativa de explicação minimamente convincente dos efeitos e dos poderes de uma melodia. Como o poder inigualável das melodias de Caetano, para além do domínio que ele afirma não ter sobre a linguagem da música. E eram as melodias que estavam em causa, junto com as palavras, no eletrizante jogo das canções.

A música fica guardada num outro lugar da memória. Canções podem ser aparentemente esquecidas e de repente retornarem intactas, décadas depois da última vez, movidas e comovidas por algum estímulo associativo (é o que Proust chama de memória involuntária). Pois, além de recurso mnemônico altamente delicado e resistente, a música é suporte de conteúdos não verbais, de uma espécie de aura afetiva da experiência, como se, para além dos significados, ela guardasse a forma e o fundo do vivido. Uma ou dez canções escolhidas sinceramente são a expressão mais tengível possível desse patrimônio imaterial ou desse matrimônio imaterial, se quisermos, de que é feito alguém. É por isso mesmo que alguns temiam perder, no nosso jogo de escolha das canções, a própria alma. Pois só as nossas canções, ou o equivalente delas em halo emocional, prova a nós mesmos que aquilo que vivemos foi realmente vivido por nós.

Tudo isso está em As canções de Eduardo Coutinho, através das pessoas das ruas do Rio de Janeiro, convidadas a cantar uma canção e falar sobre ela. Muitas vezes atingidas de repente, para sua própria surpresa, por um raio emocional que as faz chorar. O filme nos faz pensar também sobre a extração de classe dessas canções, e sobre o lugar que a canção tem no Brasil. Sobre o que espero voltar, em dezembro.

Anúncios

4 comentários em “Certas Canções – Uma ode

  1. Túlio,

    Gostei bastante desta temática. Afinal, as lembranças “musicais” marcam para sempre a vida de todos. Deixo aqui uma dica descoberta hoje: Rádio Batuta/Instituto Moreira Salles (no caso, talvez improvável de você não conhecer) para aproveitar a contribuição de José Miguel Wisnik.

    Vide: http://ims.uol.com.br/Radio/D390

    Abraços,

    Eliana Pichinine

    • Oi, Eliana. Realmente, eu já conhecia a série, até a recomendei aqui no blog uma vez. É sensacional, didática (no sentido de ser compreensível por qualquer pessoa)e muito divertida. Tem um outro programa da Rádio Batuta, este só sobre o João Gilberto, que eu indiquei no Facebook dia desses, e de que vou falar aqui também. Dava pra falar de todos. Beijão.

  2. ótimo texto de José Miguel Wisnik!

  3. Este tema realmente é muito interessante.quanto aos programas da radio batuta,ouvi de josé à joão,muito bom.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s