Discoteca Brasílica – Nação

Nação, a canção de abertura do álbum de João Bosco Comissão de Frente, de 1982, e também do último álbum de Clara Nunes, no mesmo ano, a quem deu o nome, é uma transubstanciação da Aquarela do Brasil.

transubstanciação: [Do lat. med. transubstantiatione.]
Substantivo feminino.
1. Mudança duma substância em outra.
2. Rel. Palavra adotada na Igreja Católica, sobretudo a partir da filosofia escolástica, para explicar a presença real de Jesus Cristo no sacramento da Eucaristia pela mudança da substância do pão e do vinho na de seu corpo e de seu sangue.

Da Aquarela do Brasil – e da gravação de João Gilberto com Caetano Veloso e Gilberto Gil – falo aqui. De Nação, o historiador José Maurício de Carvalho afirma ser totalmente hermética. José Maurício pesquisou e comparou canções de diversas épocas que focavam o Brasil como tema em seu artigo O Brasil, de Noel a Gabriel. Já a pesquisadora Astréia Soares afirma que Nação se reapropria dos elementos enfileirados na Aquarela – e que de resto são elementos anteriormente constituintes de uma imagem de país. Só que – e aí sou eu que afirmo – Nação coloca estes elementos no liquidificador e os regurgita transfigurados. Assim, o arco-íris de Nação faz paralelo à imagem de uma aquarela; as fontes murmurantes de Ari Barroso agora são labarágua, Sete Quedas em chamas; além da óbvia citação do Hino Nacional com a expressão berço esplêndido.

Mas há outros paralelos a serem feitos, e não só com a Aquarela. Nação é construída sobre uma base imagética de mitologia do Candomblé. A nação Jeje, uma das três correntes preponderantes no candomblé, provinda principalmente dos escravos trazidos da região do Daomé (hoje Benin), é identificada com todo o povo brasileiro. Interessante notar que a palavra Jeje vem do yorubá adjeje que significa estrangeiro, forasteiro. O próprio título da música então já é uma referência múltipla e mesmo contraditória a princípio, ao colocar um povo estrangeiro como protagonista de uma canção que faz referência a inúmeros símbolos nacionais.

A pesquisadora Silvia Maria Jardim Brügger, em um excelente estudo sobre Clara Nunes (aqui), encontra na referência a Oxumaré, o orixá do arco-íris, a chave para desvendar a canção. Ela afirma:

O Brasil-Oxumaré é uma nação da diversidade de cores, mas também da mestiçagem – o que não é uma novidade, pois o tema já se fazia presente em músicas desde a década de 1940, – do movimento, da superação, da dualidade, da fertilidade, da riqueza. O verde e amarelo da bandeira brasileira são as cores de Oxumaré, que é homem, durante metade do ano, e mulher na outra metade. Mas ele não sintetiza os dois sexos. Pelo contrário, os une em sua diferença; assim como ocorre ao arco-íris, que apresenta misturas ou zonas de intercessão entre suas cores, mas não as anula em suas especificidades: as sete cores estão nele presentes.

Fiel a este espírito de mestiçagem, a letra traça também paralelos entre mitologias: assim, Jeje e suas asas de pomba, presas nas costas com mel e dendê, remetem a Ícaro, e o uirapuru que das cinzas chama remete à Fênix. Outra referência dupla é a Caramuru – que, por matar um pássaro com uma arma de fogo, passou a ser respeitado pelos índios que o capturaram e escapou da morte – e Anhanguera – que pôs fogo numa tijela com aguardente para mostrar aos índios que tinha o poder de incendiar a água. Caramuru e Anhanguera, ambos estrangeiros que foram aceitos pelos indígenas conquistando seu respeito ou seu temor, numa relação que é de aceitação e também enfrentamento. Todos estes mitos, sucedendo-se misturados na letra, vão criando menos um significado explícito e sim algo mais próximo de uma sensação; as inúmeras referências religiosas são acompanhadas de um modo de tratar o tema que, não linear, vai criando uma atmosfera sem se preocupar em contar uma história – e no entanto a conta, mas sem que esta seja traduzível em enredo.

A criação desta atmosfera se dá também pela construção da harmonia e dos arranjos, usando clichês harmônicos idênticos aos que servem de base à Aquarela, em especial acordes de quinta aumentada, mas também acordes menores com sétima maior, conseguindo com isto passagens suaves, de semitom a semitom, de um acorde para outro. A razão de ser disto é que Nação é ao mesmo tempo um sambão e uma cantiga suave – como o João fez com a Aquarela, mas agora o processo vem desde a composição. Os acordes de Ouro cobre o espelho esmeralda seguem os de Ô, abre a cortina do passado. A orquestração suave sobre uma batucada típica de escola de samba também dialoga com a da gravação da Aquarela, seguindo os mesmos padrões, como que reforçando a identidade entre elas.

Em seu estudo, Silvia Maria lembra também que Nanã, mãe de Oxumaré, é simbolizada pela lama, que teria dado a Oxalá para que este criasse o homem. Novamente, a simbologia do (re)nascimento surge, agora para fechar o caleidoscópio de personificações: Jeje é a bananeira, é o arco-íris, é Ícaro, é o uirapuru. As imagens não se sucedem, na verdade se amalgamam. Jeje, o estrangeiro, se naturaliza, se transubstancializa de nação religiosa a nação no sentido mais amplo, de povo e país.

Nação se inicia e se encerra com a invocação de Silas de Oliveira, autor de outra Aquarela, a Brasileira, e de Dorival. Com o Rio desaguando na Bahia, traça um roteiro sintético que a canção percorre nos dois sentidos: da brasilidade algo estereotipada (mas já revista por João Gilberto) da Aquarela para a simbologia do candomblé, e desta (e da Bahia de Caymmi) novamente para uma visão de brasilidade, agora muito mais complexa – desaguando no mar mas também remontando às origens. Nação conta, à sua maneira elíptica, hermética, o processo mesmo de formação de uma nação. Algo que é dissecado por historiadores ao longo de volumes e mais volumes, e que só pode ser sintetizado a contento num formato não racional, antieuclideano, mítico, místico (adjetivo: misterioso; que encerra razão oculta ou significado alegórico): numa canção.

8 comentários em “Discoteca Brasílica – Nação

  1. Melissa Cassimiro disse:

    Obrigada por tantos ensinamentos que me permitiram refletir e interpretar, esta, que é uma das minhas favoritas canções. Já li e reli seu texto e não me canso.

    Curtir

  2. Rangel disse:

    Túlio, ótimo texto.
    Só gostaria de fazer um adendo: O termo ‘Jêje’ denomina um dos cultos de Candomblé, que é comumente chamado pelos praticantes da religiões afrobrasileiras somente como ‘Nação’.
    Daí é possível se substrair um duplo significado para o termo utilizado ao longo da música.

    Ademais. Parabéns pelo texto, que é excelente!
    E obrigado, como leitor, pela elucidação.

    Abraços.

    Curtir

  3. Gustavo Bonin disse:

    João, joão…

    Ouvi o disco.
    Muito bom Túlio.
    Aquela outra postagem também, muito boa.
    Esses tempos você também falou do João, no tim por tim, muito bom.
    Obrigado por esse blog.

    Curtir

    • Gustavo, é sempre um prazer tê-lo por aqui. Ainda não tive o prezer de reproduzir um artigo seu, mas não tarda. Aliás, saiba que que o espaço por aqui est[a sempre aberto à colaboração. Grande abraço.

      Curtir

  4. Assis Furriel disse:

    Caro Túlio,

    como sempre, uma bela análise, dessa vez da música “Nação” de João Bosco, Paulo Emílio & Aldir Blanc . Ela faz parte de uma série de outras músicas (geralmente sambas) que procuram explicitar a “alma nacional brasileira”, sua formação, sua cultura, enfim a sua cara ou caras. Você citou “Aquarela do Brasil” e “Aquarela brasileira” de Ary Barroso e Silas de Oliveira, respectivamente. Aliás, a música remete claramente a ambas, como você mesmo abordou. Mas, são tantas que propõem-se a revelar esse país, essa nação, como por exemplo “Querelas do Brasil” (“O Brasil não conhece o Brasil…”) outra letra magistral de Blanc ou “Cobra criada” de Bosco e paulo Emílio. Poderíamos ainda lembrar do canto-lamento (ainda em Clara Nunes) de “Canto das três raças” de Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro.

    Seu texto ilumina várias questões importantes para o entendimento do texto, do desejo dos autores. É isso aí!

    Parabéns pela análise do desejo poético do “Tupi or not tupi” brasileiro!

    Abraço, amigo!

    Curtir

    • Chico, daria para fazer um livro só com as canções que saíram, direta ou indiretamente, da Aquarela do Brasil. A Querelas é sensacional, uma ótima idéia para eu tratar nesta série por aqui, já entrou na fila. No estudo sobre a Clara que eu linkei no texto fala-se do Canto das Três raças também, e a escolha de repertório da Clara, apesar de ela não ser autora, é tratada também como uma “obra”, ou seja, criação dela como intérprete, pela sua tremenda coerência. Abração para você.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s