A página do diário íntimo elétrico de Beto Guedes

Para começar, com a palavra o músico Pablo Castro.

A Página do Relâmpago Elétrico, de Beto Guedes e Ronaldo Bastos, é mais uma dessas canções meio inexplicáveis, por mais que se tente analisar cada parte, visto que o conjunto é algo transcendente. Esse rock 12/8 , em versos de 6 compassos, depois alternando para 8, tem uma letra incomumente longa e das mais icônicas, imagéticas, e, alguém diria, vagas, mas de qualquer maneira incisivas, das melhores letras de Ronaldo Bastos. “Que nem ronco do trovão que eu lhe dou para guardar” está entre os versos mais surreais e cortantes do cancioneiro brasileiro, algo talvez inspirado em Guimarães. A melodia em graus conjuntos e saltos precisos se encadeia numa forma capciosa, com quatro longas estrofes, enquanto a execução instrumental decola depois da segunda estrofe pra avoar que nem asa de avião até o fade-out final. Harmonicamente, passeia no território modal/tonal e modula de C# pra E maior, passando por vários acordes com nona, sétima maior, baixos invertidos, enfim, e isso tocado com notável ferocidade, numa onda destituída de blue notes, por isso não é um típico roque, e por cima de tudo o cortante falsete arrepiante e estridente de Beto Guedes e as cordas rasqueadas do seu violão e bandolim. Ficha técnica : Bandolim, violão e voz – Beto Guedes; Violões – Zé Eduardo; Baixo – Toninho Horta; Bateria – Robertinho; Percussão – Hely; Côro – Vermelho, Flávio e Beto.

E mais talvez não fosse preciso dizer à ótima análise de Pablo, parte do projeto pessoal de esmiuçar a sua lista pessoal da 30 canções imprescindíveis do Clube da Esquina (do Facebook, a lista foi reunida em posts do ótimo blog Massa Crítica MPB: primeira parte, segunda, terceira, quarta e quinta). A primeira canção do primeiro álbum de Beto Guedes, de 1977, porém, como o próprio Pablo reconhece, tem uma soma que transcende a soma das partes, nas imagens que se acumulam como nos acordes maiores com sétima maior que se sucedem e nos levam por caminhos desconhecidos da tonalidade. A Página do Relâmpago Elétrico é a porta de entrada da música de Beto, sua carta de apresentação, o convite para a entrada em seu mundo, diário íntimo da alma desarrumada:

Abre a folha do livro
Que eu lhe dou para guardar
E desata o nó dos cinco sentidos
Para se soltar

É de se notar neste convite o terceiro verso, que, com a influência escancarada de Beatles e do rock progressivo nos mineiros do Clube, faz desconfiar do uso de ácido lisérgico, que aumenta a capacidade sensorial, gera alucinações visuais e auditivas, altera a noção temporal e espacial e causa sinestesias – estado neurológico em que os sentidos se confundem entre si, permitindo ver sons, tocar cores etc.. E não, por acaso, o convite para desatar os sentidos é seguido de uma sutil sinestesia, agora figura de linguagem: Que nem o som clareia o céu nem é de manhã.

A estrutura dA Página do Relâmpago Elétrico,de uma simplicidade enganosa, tem importância fundamental para entender melhor o mergulho a que ela nos chama. Da intrincada cadência da primeira estrofe, que vai se repetir nas seguintes, a única integralmente letrada é a primeira. Na segunda e na terceira, um trecho que tinha letra é tocado apenas instrumental, e os dois versos finais são cantados depois deste intervalo, porém integrando a mesma estrutura – o que pode dar a impressão de versos soltos a um desavisado. E na estrofe final, a parte da harmonia do instrumental é retirada, e os dois versos finais são cantados emendados, ou seja, a estrutura harmônica é abreviada.

Esta estruturação firme, porém com estas sutilezas, contrasta com a aparente desestruturação da letra, e é exatamente o que lhe dá a base firme para voar. Ao mesmo tempo, o convite para embarcar na viagem mental de Beto/Ronaldo se fortalçece ao observarmos a organização de cada estrofe: dos quatro versos iniciais que citei acima, os dois primeiros (A) se repetem com uma alteração (A’) para o agudo que serve de ponte para os seguintes, onde não há mais repetições melódicas. Este início com repetição serve de âncora estrutural para toda a composição, permitindo remissões inclusive na letra, como veremos adiante. Ao mesmo tempo, a frase (A’), finalizada para o agudo, anuncia a decolagem para uma sucessão de imagens que guarda relação íntima com as letras fantásticas do rock progressivo, seguindo a deixa dos versos de abertura, mas cruzada com algo do imaginário sertanejo mineiro que Pablo associa a Guimarães Rosa: e um cego canta até arrebentar.

Não por acaso, a entrada do peso instrumental de baixo e bateria se dá exatamente neste ponto, mas na segunda estrofe, o que é outra sutileza. Pois esta característica da introdução a um mundo paralelo (expressão clichê, mas vá lá) acontece simultaneamente em dois planos, na canção como um todo e dentro de cada estrofe. Por isso, a primeira estrofe é toda cantada apenas sobre violões, bandolim e percussão leve, numa suave cama flutuante quase como um acalanto (reforçado pelo compasso ternário), como um aprofundamento no sono para, com a irrupção instrumental, despertar, mas no outro plano, onde o caráter não lógico das frases da letra – e aparentemente arbitrário dos acordes – assume sentidos particulares, expressão bem a calhar. Vários sentidos a desatar seus nós.

Mas há ainda um elemento fundamental do pequeno estudo de Pablo a ser desenvolvido: a voz de Beto Guedes. Voz que outro blog que consultei localizou entre Bob Dylan e Neil Young. Voz desconfortável, cortante como navalha, que sobrevoa as nuvens das cordas palhetadas e a tormenta da explosão instrumental, e que, por cima disso tudo, pede silêncio:

Encontrar o coração do planeta
E mandar parar
Pra dar um tempo de prestar atenção nas coisas
Fazer um minuto de paz
Um silêncio que ninguém esquece mais

Mas um silêncio ele mesmo marcante, incômodo, e talvez por isso mesmo absolutamente necessário. A voz de Beto soa como a de um pregador no deserto. A paz e o amor que ele e Ronaldo pedem e pregam são ferozes, podem ser teríveis. E os versos que encerram a canção (repetidos na terceira e na última estrofe) explicitam esta ferocidade, ao contrastarem absurdamente com os imediatamente anteriores, que acabei de citar: Que nem ronco de trovão / que eu lhe dou para guardar. Um silêncio que nem ronco de trovão, que ninguém esquece mais. Fusão de contrários para não ser entendida, mas sentida com os cinco sentidos, e que é coisa que ninguém separa mais. Versos que remetem por sua vez aos primeiros, pela repetição parcial: o livro que Beto nos oferta é ronco de trovão do relâmpago elétrico, que é também silêncio, um minuto de paz em 5 minutos e vinte segundos de trovão. Um vislumbre da alma inquieta de Beto que nos é ofertado como seu bem mais precioso. Para guardar.

Anúncios

13 comentários em “A página do diário íntimo elétrico de Beto Guedes

  1. Voei de avião pelo sertão dos Gerais, aterrisei aqui porque a prosa tá danada de boa. É possível desatar os nós, como o Beto desata a voz, e nos dá um tempo pra pensar nas coisas. Esquina eletrônica, outro ponto de encontrar. Um abraço alterosiano, Túlio!

    • Pois o prazer foi todo meu por descobrir o Massa Crítica, e é na troca que se cresce. Mande meu abraço ao Pablo e vamos em frente.

      • rodinei disse:

        Tulio….”pra dar um tempo de prestar atenção nas coisa e ter um minuto de paz”….frequentemente isto bate como um martelo na minha mente….nao descobri o motivo….mais bate!!!…abçs

  2. Luiz Henrique disse:

    Do Sobre a Canção, descobri o Massa Crítica, e ainda à bordo dessa análise brilhante de uma canção assustadoramente brilhante da dupla Guedes-Bastos.
    Fiquei pensando, a primeira faixa do primeiro disco solo da carreira do cara ser essa aí é um senhor começo!
    Tulio, de passagem meio por acaso achei esse artigo sobre “a gramática da palavra cantada”, talvez vc e outros frequentadores do Sobre a Canção se interessem:
    http://www.iel.unicamp.br/revista/index.php/cel/article/download/3618/3059
    Abraço!

    • Pois é, Luiz, é uma canção que anuncia o que está por vir. E olhe que eu pessoalmente considero o álbum de estréia do Lô Borges ainda melhor. Gravei o artigo que você indicou para ler com calma. Tenho uns outros guardados de diversas fontes, me deu a idéia de fazer um post juntando estas indicações. Valeu a indicação, abraços.

  3. Lucas disse:

    “A voz de Beto soa como a de um pregador no deserto.” Disse tudo cara. Isso diz muito no desdito…

  4. Sinceramente,to descobreindo seu site agora,e to realmente impressionado com sua analise,dessa letra,e tudo que eu imaginava.O primeiro verso ja diz tudo,so quem viveu essa epoca sabe o que e isso .No minimo e um pingo dourado,que agente tinha o habito de guardar em um livro,pois vinha sempre em uma cartela com 10 pingos.Realmente um convite para uma viagem.Talvez a primeira letra lisergica feita.Agora o impressionante e o arranjo dessa musica,pois so com esse time de feras,poderia sair uma musica assim,encaixar uma melodia e um arranjo ,nessa letra difiçil,e uma arte.Parabens vc disse tudo.

  5. luis fernando messeder disse:

    Ronaldo Bastos é um poeta visionário. Quem mora em Niterói tem facilidade em ser visionário até quando atravessa a Baía, voltando para casa, ao sentir fome. Não é necessário qualquer adição pois a natureza que nos envolve ajuda demais. Beto? Multi-instrumentista virtuose inspiradíssimo. Do bandolim afinou seu falsete. Dois gênios brasileiros na fase plena de sua criação. Graças a Deus.

  6. ventocosmico disse:

    Conheço bem o trabalho do Beto e digo que adoro a sua voz. É uma voz especial, frágil e vulnerável, que anda numa linha de corda bamba.. e o melhor: sempre com algo singelo a dizer. Fruto de suas parcerias geniais com o Ronaldo, Milton, o Brant e por aí vai!

  7. rodinei disse:

    Perdão…”coisaS”

  8. Lari Finocchiaro disse:

    Salve Tulio! Cá estou, estudando essa canção para o curso de canto popular em Tatuí… de início confesso que foi uma estranheza só… estava cantarolando em cima dessa voz cortante dele, incomodada, achando o compasso, tentando entender a estrutura, ouvindo essas notas em cima dos acordes…reconhecendo o terreno, de um lugar de fato, estranho. Que bom que achei teu blog e tua prosa sobre essa canção! 🙂 que bom poder mergulhar (agora mais velha, pois as primeiras músicas que ouvi de meu pai foram desses mineiros) nesse universo cósmico da Esquina e conhecer um pouco mais do Beto… seguirei ouvindo-o.

  9. Luis Fernando disse:

    Essa música tem relação com um avião da II Guerra Mundial chamada Thunderbolt. Beto curte aviação, e na nossa infância existiam uns albuns de figurinhas… Tem muita coisa da infância na música, referências a vida. Criança tem uns tempos e compassos fora do contexto, sabe? E o pessoal do Clube começou na adolescência mesmo, convivendo com a rigidez do ensino musical mais tradicional e também experimentando vôos como dessas canções “de amor no firmamento” pois essa fase adolescente é a dos grandes amores e paixões. Fico muito feliz em saber do pessoal mais jovem tendo contato com a boa música. Evoé, jovens à vista!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s